domingo, 27 de abril de 2014

Dez anos depois de casar, chinesa continua andando vestida de noiva


Dois dos quatro vestidos de Xiang: ela foi obrigada a casar com um idoso e viveu 15 anos como escrava

Dois dos quatro vestidos de Xiang: ela foi obrigada a casar com um idoso e viveu 15 anos como escrava Foto: Reprodução / Daily Mail

Expresso
Tamanho do texto A A A
Xiang Junfeng foi sequestrada de sua cidade natal, Jimo, na China, aos 18 anos, e vendida para ser a esposa de um homem idoso no vilarejo de Linyi. Foram 15 anos sendo tratada como escrava, obrigada a a trabalhar nos campos, até o dia em que decidiu fugir. Ela foi parar na aldeia de Liujiazhuang, onde foi ajudada por uma mulher que lhe apresentou um pretendente: o seu irmão Zhu Zhengliang. Muitas ficariam traumatizadas, sem coragem de encarar uma relação tão cedo. Mas Xiang não só casou novamente, em 2004, como desde então só anda vestida de noiva. Todos os dias. Tudo para mostrar a felicidade de finalmente ter encontrado um verdadeiro amor. A história foi contada em reportagem do site do jornal inglês “Daily Mail”.
— O dia do meu casamento foi o dia mais feliz da minha vida e eu nunca quis que chegasse ao fim. Foi aí que eu decidi que queria não só continuar usando o meu vestido de noiva, como também comprar outros quatro — conta Junfeng.

A chinesa é vista como estranha entre os vizinhos, mas não está nem aí
A chinesa é vista como estranha entre os vizinhos, mas não está nem aí Foto: Reprodução / Daily Mail

Na verdade, Xiang comprou um vestido para o casamento e, depois do grande dia, costurou outros três. Ela usa um para cada estação do ano. Os seus vizinhos consideram a atitude estranha, principalmente quando está trabalhando nos campos. Mas a mulher, hoje com 47 anos, não está nem aí.
— Eu não me importo com o que as pessoas dizem sobre mim. Meus vestidos de casamento fazem parte da minha vida, e eu vou continuar a usá-los de qualquer maneira. Eu nem sequer tenho qualquer outra roupa — afirma.
A única coisa que perturba a Sra. Junfeng é não poder registrar seu casamento oficialmente, porque ela não tem a documentação correta por causa do relacionamento com o primeiro marido. No entanto, a delegacia de polícia local está pensando em ajudar Xiang.
— Eu conheci um homem violento e abusivo e evitava os homens. Até que eu conheci o meu novo parceiro, que me tratou de maneira tão diferente! Eu não podia acreditar quando ele me pediu para casar com ele! — lembra, feliz, a “eterna noiva”.

domingo, 20 de abril de 2014

Waze quer atrair anunciantes grandes e pequenos no Brasil

Waze quer atrair anunciantes grandes e pequenos no Brasil
São Paulo, 16 (AE) - A rápida adesão do brasileiro ao aplicativo de navegação israelense Waze tem empolgado seus executivos. Segundo a empresa, o Brasil hoje só perde para os Estados Unidos em número de usuários, totalizando seis milhões em dezembro. Em encontro com jornalistas em São Paulo, dois executivos estrangeiros da empresa falaram sobre como o Waze vem buscando converter essa crescente popularidade em oportunidades para anunciantes e parcerias com outras formas de mídia.
Eric Ruiz, chefe de negócios para a América Latina, e Samuel Keret, vice-presidente de desenvolvimento de negócios, falaram ao jornal O Estado de S.Paulo em um hotel em São Paulo, pois a empresa ainda não tem escritório próprio, nem tem planos de tê-lo. Segundo eles, a empresa "não considera necessário". Já nos Estados Unidos, o escritório próprio não existe mais, com toda a equipe tendo mudado para o Google, que comprou a startup em junho de 2013.
Mesmo que não estivesse sob as asas do gigante de buscas, a empresa estaria em situação financeira confortável, garantem os executivos. "Teríamos bons lucros de qualquer forma, graças ao que ganhamos com anúncios", diz Keret. A empresa resolveu adotar anúncios em 2010, dois anos depois de sua fundação. ‘Tivemos que sair dos formatos tradicionais, pois estamos lidando com motoristas, não podemos ter um banner piscando na tela."
"Ao mesmo tempo", continua. "É um público-alvo ótimo: são motoristas, geralmente têm carro, têm smartphone, não são crianças e têm renda. Sabemos onde você está e para onde vai". Segundo os executivos, o modelo criado e hoje em uso em mais de 20 países. tenta dar um caráter de serviço para o anúncio.
O aplicativo desenvolveu uma ação recente com o filme Capitão América, a primeira ligada a cinema no Brasil. Usuários à procura de um cinema ou passando perto de alguma sala recebiam a informação sobre onde o filme estava passando.
"A inserção tem que ter relevância para o usuário", explica Ruiz. Um formato muito utilizado é a exibição no mapa de unidades de uma empresa.
Keret acrescenta que a empresa já recusou muitos anunciantes grandes com base nessa premissa, inclusive no Brasil. "Empresas de refrigerante ou de sabonete, por exemplo, lidam com produtos que não têm uma localização. Eles querem colocar esses produtos no mapa e temos que dizer não". Acordos já foram fechados com empresas como Itaú, Bradesco, Fiat e a loja de conveniência am/pm, da Ipiranga.
PEQUENOS
Os executivos do Waze contam que além dos grandes anunciantes, pequenos negócios também representam uma fonte de renda da empresa. "São nossa ‘cauda longa’", brinca Ruiz. O Waze, segundo ele, está aberto a qualquer tipo de negócio. Basta entrar no site da empresa, cadastrar os dados e calcular o valor de seu anúncio, conta feito pelo Waze. "Nunca mais que US$ 50 mensais", garante Keret. O site ganhou semana passada uma versão em português e já conta com "milhares de negócios" segundo os executivos da empresa.
Aparecer no mapa não é tão fácil. Compreensivelmente, a empresa busca limitar a quantidade de logos e citações no mapa, para não haver congestionamento visual. "Mantemos três itens por vez no mapa", diz Keret. "Escolhemos isso baseado no valor que você pagou, há uma hierarquia, e também consideramos horários de funcionamento".
O Waze também quer fazer parcerias com outras formas de mídia, como rádio e televisão. O programa de noticiário local Radar RJ, da TV Globo, tem exibido mapas de velocidade do trânsito em vias do Rio de Janeiro que usam informações o Waze. Segundo eles, já existem parcerias similares nos EUA, com a emissora ABC, e no México, com a Televisa.
Segundo Ruiz e Kertel, a empresa também enxerga o rádio como grande parceiro em potencial e gostaria muito de fechar acordos de conteúdo com estações brasileiras, embora nada de concreto exista ainda.

domingo, 13 de abril de 2014

Britânica acusada de fazer sexo no banco de trás de táxi em Dubai aparece no tribunal coberta da cabeça aos pés.


Rebecca pode ser condenada à prisão Foto: Reprodução / Mail Online
Extra Online
Tamanho do texto A A A
Uma executiva britânica responde a processo criminal em Dubai, nos Emirados Árabes, por fazer sexo no banco de trás de um táxi. Detalhe: com o taxista ao volante. Apesar da audácia de Rebecca Blake, de 29 anos, nesta quarta-feira ela apareceu no tribunal coberta dos pés à cabeça, vestindo um hijab, véu usado por mulheres islâmicas.
Rebecca e o amigo irlandês Conor McRedmond pegaram um táxi após uma noite de bebedeira com os amigos. Quando o motorista espiou pelo retrovisor, os dois estavam trocando carícias quentes, como se não houvesse mais ninguém ali. O taxista parou o carro ao lado de uma viatura da polícia para fazer a queixa. Quando voltou com um oficial, flagrou os dois em pleno ato sexual.
Segundo o site “Mail Online”, Rebecca se recusa a falar sobre o que aconteceu no táxi, e diz que tudo não passa de um “borrão” na cabeça dela.
Os dois foram ao tribunal, nesta quarta-feira
Os dois foram ao tribunal, nesta quarta-feira Foto: Reprodução / Mail Online
- Nós estávamos no táxi há cinco minutos, antes de o motorista encostar o carro. Eu não posso falar sobre o que houve no veículo por razões legais. Mas eu não sei o que se passou. É tudo um borrão e eu realmente não me lembro de como as coisas aconteceram - disse ela, em entrevista ao jornal “The Sun”.
Os dois foram presos e ficaram cinco dias na prisão. Eles são acusados de manter relações sexuais fora do casamento e se embebedar em lugar público, o que é considerado crime na lei islâmica. Durante esse tempo, Rebecca disse que viveu um inferno na cadeia, sofreu ataques de pânico e foi até mordida por baratas. Por causa do escândalo, ela perdeu o emprego. O casal pode ser sentenciado a até três anos de prisão, de acordo com a legislação local.
- Vivi o pior pesadelo que se pode imaginar, na prisão - disse ela. - Estou me preparando para voltar para a cadeia, e realmente não sei como lidar com isso. Eu não sei se vou. Eu poderia acabar comigo se tivesse que voltar para aquele buraco do inferno.
Conor McRedmond também é acusado
Conor McRedmond também é acusado Foto: Reprodução / Mail Online
Rebecca tem 29 anos
Rebecca tem 29 anos Foto: Reprodução / Mail Online


TIM e Waze fecham parceria

Com o acordo, os clientes da operadora terão acesso ao app sem desconto do plano de dados contratado


Tela do aplicativo (app) Waze
Waze: a TIM contará com PIN’s no mapa disponibilizado no aplicativo, que localizarão lojas da operadora e pontos de recarga

São Paulo - A TIM fechou parceria com o Waze, aplicativo de trânsito e navegação atualizado em tempo real, com a colaboração de uma comunidades de motoristas.
Com o acordo, os clientes da operadora terão acesso ao app sem desconto do plano de dados contratado.
A empresa também contará com PIN’s no mapa disponibilizado no Waze, que localizarão lojas da operadora e pontos de recarga.
A partir de hoje, quem adquirir um aparelho já contará com o aplicativo pré-instalado.
“O Waze tem ajudado milhões de brasileiros no trânsito cada vez mais intenso das cidades. Por isso, buscamos essa parceria em primeira mão, que trará ainda mais benefícios para os clientes. A ação está em linha com o posicionamento de inovação da TIM e com foco no mercado de dados e apps, um dos pilares da estratégia da empresa para 2014”, explica Fábio Cristilli, diretor de Internet, VAS e Aparelhos da TIM Brasil.
A isenção da cobrança do tráfego de dados será válida até 09/07/2014, podendo ser prorrogada.


domingo, 6 de abril de 2014

Capitão América invade o Waze para promover filme

O objetivo é promover no Brasil o longa “Capitão América 2: O Soldado Invernal”, que estreia no dia 10 (quinta-feira)



Capitão América invade o Waze para promover filme
Capitão América invade Waze: cinemas de da cidade de São Paulo que estiverem exibindo filme serão marcados dentro do app com escudo emblemático



São Paulo - Os fãs de Capitão América e os usuários do aplicativo Waze vão se deparar com uma novidade a partir desta sexta-feira, dia 04 de abril.
objetivo é promover no Brasil o longa “Capitão América 2: O Soldado Invernal”, que estreia no dia 10 (quinta-feira).
Concebida pela agência Leo Burnett Tailor Made a ideia traz uma mecânica simples: cinemas da cidadede São Paulo que estiverem exibindo o filme serão marcados dentro do aplicativo Waze com um escudoemblemático, em referência ao protagonista da trama.
Trata-se da primeira vez no Brasil que o Waze fecha uma parceria com uma produtora de cinema. São 30 pontos marcados na cidade de São Paulo e grandeSP, durante 1 mês.
Ainda dentro da campanha de lançamento, estão previstos comerciais sobre o longa em TV aberta e fechada, comunicação online, spots em rádios e mídia out of home.
Reprodução
Capitão América invade o Waze para promover filme